Direitos Autorais

Não reproduza textos, fotos e vídeos deste blog sem autorização da autora.
Mesmo com autorização, se utilizar algum conteúdo, mencione a fonte
e a autoria. Lei 9.610/98.

Translate

sábado, 23 de março de 2013

O que liga a morte de Boris Berezovsky à de Alexander "Sacha" Litvinenko?

O anúncio da morte do magnata Boris Berezovsky remete a uma outra morte. A do também russo Alexander (Sacha) Litvinenko, ex-agente do Serviço Federal de Segurança (FSB, antiga KGB) que foi envenenado com polônio-210 em Londres, em 2006.
Sacha havia descoberto e denunciado um plano para assassinar Berezovsky. Por isso, em 2000, teve que se refugiar em Londres com a mulher e o filho.
Em 2006, quando investigava a morte da jornalista russa Anna Politkovskaya (opositora do presidente Vladimir Putin, assassinada em Moscou em 7 de outubro daquele ano aos 48 anos), ele adoeceu e foi hospitalizado. Em dias, perdeu todo o pelo do corpo e os médicos classificaram seu estado como gravíssimo. Agonizando, convocou a imprensa e, diante de câmeras de TV, acusou Putin de ter ordenado seu envenenamento.
Hoje, também em Londres, aos 67 anos, Berezovsky foi encontrado morto, em circunstâncias suspeitas.
A história de Sacha é contada no livro "Morte de um dissidente" (Ed. Companhia das Letras-2007), escrito pelo biólogo e ativista político Alex Goldfarb e pela viúva do agente, Marina Litvinenko.
A narrativa parece ter sido inspirada naqueles tradicionais filmes dos tempos da guerra fria. A diferença é que toda a trama de espionagem nada tem de ficção e o polônio-210 é uma substância altamente radioativa.
Vale a pena acompanhar o noticiário sobre a morte Berezovsky. 
No Brasil, ele se tornou conhecido em 2007, porque teve sua prisão decretada. Contra ele pesava a suspeita de estar envolvido com a empresa MSI, então sócia do Corinthians, em caso de lavagem de dinheiro. A investigação foi conduzida pela Interpol.
Berezovsky vivia na Grã-Bretanha, porque se sentia ameaçado na Rússia, onde fazia oposição a Putin. 
Assista a vídeo sobre a morte de Litvinenko.

Nenhum comentário: