Direitos Autorais

Não reproduza textos, fotos e vídeos deste blog sem autorização da autora.
Mesmo com autorização, se utilizar algum conteúdo, mencione a fonte
e a autoria. Lei 9.610/98.

Translate

sábado, 5 de maio de 2012

Leia a entrevista do "Guerrilheiro Nescau" a
Bob Fernandes, no Jornal do Brasil, em 1986

No dia  27 de novembro de 1986,  houve um quebra-quebra em Brasília por causa do Plano Cruzado II, implantado pelo Governo José Sarney. No dia seguinte, o Jornal do Brasil publicou extensa matéria com chamada na primeira página.
Para dar satisfação à opinião pública e aparentar que estavam no controle, autoridades apressaram-se em atribuir a "guerrilheiros" as ações, que incluíram saques a supermercados e queima de ônibus. Essa palavra ainda era forte no imaginário brasileiro, porque a ditadura só havia terminado oficialmente no ano anterior, após mais de duas décadas de vigência.
As declarações oficiais foram ilustradas pela foto de um rapaz que carregava um pacote na mão. Para as autoridades, era uma bomba, que, naturalmente, seria lançada pelo "guerrilheiro".
O repórter Bob Fernandes, que atuava na sucursal do Jornal do Brasil em Brasília, não se convenceu com a versão e procurou durante dias pelo rapaz da foto.
No dia 7 de dezembro de 1986, ele publicou uma entrevista com Rogério Santos Souza, de 26 anos e pai de três crianças pequenas. As informações que o repórter colheu não só desmentiram a versão oficial, como motivaram o título da reportagem: "O Guerrilheiro Nescau".
O volume na mão do rapaz  não passava de uma lata do famoso achocolatado que a propaganda dos anos 60 dizia ter "gosto de festa".
Clique na foto e faça download para poder ler.
   
  A cópia da página foi obtida no site que concentra digitalizados os exemplares antigos do Jornal do Brasil. Foi preciso realizar um trabalho de paste-up, copiando partes da entrevista e colando.
"O Guerrilheiro Nescau"  integra o acervo jornalístico que conta parte da História recente do Brasil. Por isso, o texto merece ser conhecido por todos que ainda não o leram.

Nenhum comentário: