Direitos Autorais

Não reproduza textos, fotos e vídeos deste blog sem autorização da autora.
Mesmo com autorização, se utilizar algum conteúdo, mencione a fonte
e a autoria. Lei 9.610/98.

Translate

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Um assobio

(Lídia Maria de Melo) - Clique no vídeo para assistir


Minha cidade mudou de cor.
Já foi vermelha, desbravadora,
mais que temida: foi respeitada.
Minha cidade tinha
um característico viço incomum.
Homens erguiam sacas de café, de açúcar
e tantos outros produtos
que garantiam sustento digno.
Minha cidade era de brios.
Já foi grevista, polêmica,
operária, dona de vida à toa na beira do cais,
artística, intelectual,
poética, teatral,
vanguarda política e musical.
Minha cidade foi palco de eternos e heroicos dribles,
célebres conquistas,
inesquecíveis vitórias.
Gerou discursos, comícios,
inflamadas assembleias.
Inspirou prosas e versos.
Minha cidade já teve siso, ares sombrios...
Minha cidade sempre se defendeu.

Nos últimos tempos, minha cidade contraiu
uma palidez preocupante,
uma cruel anemia.
Minha cidade ficou branca.
Mas não com ares de paz.
Seus meninos tombam, abatidos,
ainda no vigor dos hormônios.
Minha cidade virou manchete
na internet, rádios, jornais e emissoras de TV.
Minha cidade perdeu o sono
e morre de medo.
Minha cidade anda doente,
necessitada de intensivos cuidados.
Minha cidade precisa
é recuperar o bom humor de um assobio.

7 comentários:

Eunice disse...

Muito lindo! È a poesia tirada da realidade, realidade que seria bom não enxergar. O ócio imposto pela imobilidade do seu pé esquerdo já começou a render frutos!

Lidia Maria de Melo disse...

Obrigada, Eunice. Mas, apesar de ter permanecido inédito até hoje, 'Um Assobio' começou a nascer em 2000. Ficou esquecido. Em dezembro de 2009, eu o terminei. Não é fruto de minha inspiração atual.

Nando disse...

Chefe, muda de endereço...

Alex Rodrigues disse...

Que melodia será esta capaz de permitir a a volta dos shows na praia e o uso adequado do Teatro Municipal e da Cadeia Velha? Que desestimule aqueles que pensam em promover abaixo-assinados para impedir o uso da Concha Cústica ou para fechar o Ouro Verde? Que devolva à Avenida Mário Covas seu verdadeiro nome e aos jovens a esperança de poderem dar o melhor de si em sua própria terra?

Tomei a liberdade de reproduzir o poema em meu blog (semifosco.blogspot.com). Obrigado

Beth disse...

Oi Lídia hj já enviei como msg do dia sua poesia "Tua Casa. Teu Perfil", a um amigo meu lá do RJ. Tbm gostei muito de sua poesia-vídeo "Assobio" e queria saber se posso postá-la em meu blog http://bethcafe.blogspot.com
lá tenho assuntos sobre café tudo haver com sua cidade e a história do café nela inscrita e expressa em sua poesia...
Abçs!

Alexandre Araújo disse...

Lídia,meu nome é Alexandre Araújo sou filho de um dos presos políticos do navio Raul Soares e quero agradecer à você pois através de seus artigo(livro) cheguei a contactar com o ilustre Dr, Thomas Maack nos EUA,contudo se possível gostaria de trocarmos e mails a cerca daquele período e se não a incomoda-se saber de certas informações que acredito você puder me orientar pelo menos.desde já obrigado!!

Lidia Maria de Melo disse...

Alexandre, se você me mandar seu e-mail, poderemos conversar. Um abraço, Lídia