Direitos Autorais

Não reproduza textos, fotos e vídeos deste blog sem autorização da autora.
Mesmo com autorização, se utilizar algum conteúdo, mencione a fonte
e a autoria. Lei 9.610/98.

Translate

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

O apito dos navios e o canto da sereia dão
as boas-vindas na noite de ano-novo

                                      Foto de Lídia Maria de Melo (clique nela para ampliar)
O apito dos navios tem mesmo o dom de encantar. Na tarde ensolarada de 13 de janeiro de 2007, um sábado, o apito do Costa Fortuna, na saída da barra de Santos, empolgou tanto meu pequenino companheiro que ele se embrenhou no mar, de roupa e tudo (tênis e meias), como se pudesse seguir a branca e bela embarcação que partia para alto-mar.
Nas noites de 31 de dezembro, juntamente com os fogos que a população solta, os navios costumam acionar seus apitos, poooommmm, poooommmm, a recepcionar o novo ano que chega.
Quando eu era pequena, lembro-me de que, em nossa casa, meus pais diziam que à meia-noite a sereia iria cantar, ou tocar, não sei bem direito. Mas era a sereia. E nós, crianças, tentávamos distinguir o som entre tantos ruídos que anunciavam o romper do ano-novo.
Faz pouco tempo, bem poucos anos mesmo, descobri que antigamente "sereia" era uma palavra que denominava também o som estridente de alarme, ou de uma fábrica, ou de um veículo, como ambulâncias e carros de bombeiros. Folheando edições antigas de A Tribuna, para responder à pergunta de um leitor, encontrei uma matéria mencionando que a "sereia" do jornal tocava todos os dias ao meio-dia, como ainda hoje acontece.
Ou seja, "sereia" era "sirena" ou "sirene". Talvez por isso os adultos dissessem que a "sereia ia cantar (ou tocar)" na noite do ano-novo.
Nesse caso, embora nós, crianças, não soubéssemos, não seria preciso apurar o ouvido. Os sons das sereias eram aqueles audíveis em qualquer lugar da Baixada Santista. O apito em coro dos navios. Mas, em nossa imaginação, era aquele ser mitológico com rabo de peixe que cantava no fundo do mar enquanto os navios faziam ecoar seu característico som: poooommmm, poooommmm.
Amanhã à noite, certamente, os sons mais uma vez vão me envolver com essas reminiscências.

2 comentários:

Carlos Gama disse...

Excelente lembrança, Lidia.
Agora, os apitos dos navios também vão nos lembrar você.

Lidia Maria de Melo disse...

Ednéia Forster disse no Facebook: "Lindo texto! Na passagem do Ano me encantarei...com as sereias! Bjs"

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...