Direitos Autorais

Não reproduza textos, fotos e vídeos deste blog sem autorização da autora.
Mesmo com autorização, se utilizar algum conteúdo, mencione a fonte
e a autoria. Lei 9.610/98.

Translate

domingo, 30 de março de 2014

Golpe militar: 5 décadas depois daquele dia de 1964


Nesta segunda-feira (pela versão oficial) ou nesta terça (pela versão real), completam-se 50 anos do golpe militar de 1964, que mudou a vida do Brasil e de milhares de famílias, como a do então presidente da República João Goulart e como a minha.
Não vou repetir a história que há anos escrevo: sobre as prisões que meu pai sofreu, na sede do Dops e no navio Raul Soares, que serviu de presídio político no Porto de Santos em 1964. Deixarei os links para que o leitor possa acessar os textos anteriores.
Também postarei o link do documentário "O dia que durou 21 anos", de Flávio Tavares e Camilo Galli Tavares, que expõe claramente a conspiração dos Estados Unidos contra um governo legitimamente eleito e referendado pelo povo. Depois da renúncia do então presidente Jânio Quadros, apesar das forças contrárias, Jango tomou posse com apoio político e popular. Quando se quis implantar um regime parlamentarista, para lhe tirar o poder, um plebiscito garantiu a manutenção do presidencialismo e devolveu-lhe o comando do País.
O documentário deve ser visto por quem deseja compreender o que realmente ocorreu no período que antecedeu o golpe.
Quanto a mim, nestes 50 anos que se completam, vejo com certo receio a atmosfera que se apresenta.
Há dez anos, quando foram lembrados os 40 anos do golpe, havia uma ânsia de saber. Fiz várias palestras como convidada (do Sesc, para abrir a exposição itinerante com documentos do DOPS; da UniSantos, na Semana de Serviço Social; da Secretaria de Justiça do Estado de São Paulo, para falar aos integrantes da Comissão Estadual de Ex-Presos Políticos), escrevi matérias no jornal, fui entrevistada.
Agora, continuo sendo solicitada. Mas ouço e leio absurdos em análises feitas por pessoas que se dizem historiadoras. Fico temerosa  em relação à versão que será legada à posteridade.
A exemplo do que ocorreu em relação aos crimes dos nazistas, praticados durante a Segunda Guerra Mundial (chegaram a ser negados por quem não admitia a existência do holocausto), agora está em voga um revisionismo da história da ditadura no Brasil. Primeiro, disseram que aqui a ditadura foi "branda". Agora, alguns têm a audácia de afirmar que a ditadura só durou dez anos.
Essas ideias são absurdas (para dizer o mínimo). Só podem partir de historiadores e jornalistas de gabinete, que não sentiram na pele o que aconteceu neste País, nem souberam ouvir fontes fidedignas. Além disso, não merecem exercer essas profissões. (Brevemente, escreverei sobre o tema).
Já me estendi por demais. Aqui está o link do documentário "O dia que durou 21 anos":  http://vimeo.com/75717915

Abaixo seguem minhas postagens anteriores sobre ditadura e o navio-prisão Raul Soares:
1. Minha entrevista sobre censura e ditadura à ECA/USP (partes 1 e 2):

2. Minha entrevista sobre censura e ditadura à ECA/USP (partes 3 e 4):

3. Comissão da Verdade inclui Raul Soares na relação dos centros de tortura do Estado de São Paulo:
http://lidiamariademelo.blogspot.com.br/2013/05/comissao-da-verdade-inclui-raul-soares.html

4. Ditadura não começou com o AI-5, mas em 1º de abril de 1964:

5. 41 anos do AI-5 e o navio Raul Soares:

6. Há 48 anos o navio Raul Soares virava prisão no Porto de Santos:

7. TV Tribuna exibe reportagem sobre navio Raul Soares, prisão flutuante da ditadura:


9. O arquivo secreto do Dops:

10. Ser omisso é ser cúmplice (entrevista que fiz com Celso Lungaretti):
http://lidiamariademelo.blogspot.com.br/2011/03/celso-lungaretti-ser-omisso-e-ser.html




13. Anistia:

14. Thomas Maack, médico e preso do Raul Soares:
http://movebr.wikidot.com/maackt:navio-prisao

15. Raul Soares, Um Navio Tatuado em Nós:
http://www.novomilenio.inf.br/santos/h0181b.htm

16. Comissão da Verdade investiga o navio-prisão Raul Soares:

17. A tortura no porto de santos:
18. As homenagens que Narciso de Andrade me fez:
http://lidiamariademelo.blogspot.com.br/2013/09/as-homenagens-que-narciso-de-andrade-me.html

19. Assassinato de Vladimir Herzog completa 38 anos:
http://lidiamariademelo.blogspot.com.br/2013/10/assassinato-de-vladimir-herzog-completa.html

20. Vladimir Herzog: a justiça nas mãos de dois juízes chamados Márcio:
http://lidiamariademelo.blogspot.com.br/2012/09/vladimir-herzog-justica-nas-maos-de.html

21. Ditadura militar: uma história invertida
http://lidiamariademelo.blogspot.com.br/2010/01/ditadura-militar.html

22. As abomináveis ditaduras
http://lidiamariademelo.blogspot.com.br/2010/02/as-abominaveis-ditaduras.html

23. Para não perder a referência histórica:
http://lidiamariademelo.blogspot.com.br/2010/10/para-nao-perder-referencia-historica.html

24. E-mail veicula informação falsa sobre a ministra Dilma Rousseff
http://lidiamariademelo.blogspot.com.br/2010/03/e-mail-veicula-falsa-informacao-sobre.html

25. Vinte anos da anistia:
http://lidiamaria.melo.zip.net/arch2006-08-01_2006-08-31.html#2006_08-28_13_34_23-102131659-27

26. Raul Soares (Parecer atestou tortura)

27. O que vivemos hoje é fruto do que aconteceu antes
http://lidiamariademelo.blogspot.com.br/2011/05/o-que-vivemos-hoje-e-fruto-do-que.html

2 comentários:

Nando disse...

Pois é, querida Lídia. O jornal autor do termo 'ditabranda' é o mesmo que apoiou o golpe. E o historiador caolho a que você se refere está a serviço dessa mídia golpista que passou esses 50 anos impune. Os militares deixaram o poder, mas os jornais estão aí, esperando uma brecha pra dar outro golpe.

Lidia Maria de Melo disse...

Nos pronunciamentos que fiz esta semana sobre os 50 anos do golpe militar, expressei um incômodo: o revisionismo que vem sendo apregoado por alguns setores da sociedade brasileira.
A tônica deles é de que não tivemos um golpe, de que a ditadura foi branda e de que não durou 21 anos. Agora, abro a revista Carta Capital e o filósofo Vladimir Safatle, da USP, fala justamente sobre esse assunto. Isso prova que a mobilização pelo apagamento da História, que tenho apontado e criticado, não é uma impressão minha. Está de fato acontecendo.
E essa estratégia de negar o que aconteceu é, como diz Safatle, "a mais brutal de todas as violências"